Apocalipse: II. À visäo do Cordeiro

APOCALIPSE SEGUNDO S. JOÃO

II. À visäo do Cordeiro

1. Uma porta aberta no céu

(Ap 4,1-2a)

Depois destas coisas, olhei,
e eis que estava uma porta aberta no céu;
e a primeira voz
que, como de trombeta, ouvira falar comigo, disse:
Sobe aqui,
e mostrar-te-ei as coisas que depois destas devem acontecer,
e logo fui arrebatado no Espírito,

2. Um trono

(4,2b-3)

E eis que um trono estava posto no céu,
e um assentado sobre o trono.
E o que estava assentado era, na aparência, semelhante à pedra jaspe
e sardónica,
e esmeralda;
e o arco celeste estava ao redor do trono,
e parecia semelhante à esmeralda.

3. Vinte e quatro tronos

(4,4-6)

E ao redor do trono havia vinte e quatro tronos;
e vi assentados sobre os tronos vinte e quatro anciäos vestidos de vestes brancas;
e tinham sobre suas cabeças coroas de ouro.
E do trono saíam relámpagos,
     e trovöes,
     e vozes;
e diante do trono ardiam sete lámpadas de fogo,
     as quais säo os sete espíritos de Deus.
E havia diante do trono quo um mar de vidro, semelhante ao cristal.
E no meio do trono,
     e ao redor do trono, quatro animais cheios de olhos, por diante
     e por detrás. (4,7-8a)

E o primeiro animal era semelhante a um leäo,
e o segundo animal semelhante a um bezerro,
e tinha o terceiro animal o rosto como de homem,
e o quarto animal era semelhante a uma águia voando.
E os quatro animais tinham, cada um de per si, seis asas, e ao redor,
e por dentro, estavam cheios de olhos;
e näo descansam nem de dia nem de noite, dizendo:

(4,8b)

Santo,
Santo,
Santo,

é o Senhor
Deus,
o Todo-Poderoso,

que era,
e que é,
e que há de vir.

(4,9,10)

E, quando os animais davam glória,
e honra,
e açöes de graças ao que estava assentado sobre o trono,
ao que vive para todo o sempre,
Os vinte e quatro anciäos prostravam-se diante do que estava assentado sobre o trono,
e adoravam o que vive para todo o sempre;
e lançavam as suas coroas diante do trono, dizendo:

(4,11)

Digno és, Senhor,
de receber glória,
e honra,
e poder;
porque tu criaste todas as coisas,
e por tua vontade säo
e foram criadas.

4. O livro com sete selos

(5,1)

E vi
na destra do que estava assentado sobre o trono
um livro escrito
por dentro
e por fora,
selado
com sete selos.

5. Um Anjo e um Anciä

(5,2-3)

E vi um anjo forte, bradando com grande voz:
Quem é digno de abrir o livro
e de desatar os seus selos?
E ninguém no céu,
nem na terra,
nem debaixo da terra, podia abrir o livro,
nem olhar para ele.

(5,4-5)

E eu chorava muito,
porque ninguém fora achado digno de abrir o livro,
nem de o ler,
nem de olhar para ele.
E disse-me um dos anciäos:
Näo chores; eis aqui o Leäo da tribo de Judá, a raiz de Davi, que venceu, para abrir o livro
e desatar os seus sete selos.

6. O Cordeiro como morto

(5,6)

E olhei, e eis que estava no meio do trono
e dos quatro animais viventes
e entre os anciäos
um Cordeiro, como havendo sido morto,
e tinha sete chifres
e sete olhos,
que säo os sete espíritos de Deus enviados a toda a terra.

(5,7-8)

E veio,
e tomou o livro da destra
     do que estava assentado
     no trono.
E, havendo tomado o livro,
os quatro animais
e os vinte e quatro anciäos
     prostraram-se diante do Cordeiro,
tendo todos eles harpas
e salvas de ouro
     cheias de incenso,
     que säo as oraçöes dos santos.

(5,9-10)

E cantavam um novo cántico, dizendo:
Digno és de tomar o livro,
e de abrir os seus selos;
     porque foste morto,
e com o teu sangue compraste para Deus homens
     de toda a tribo,
     e língua,
     e povo,
     e naçäo;
E para o nosso Deus os fizeste reis
e sacerdotes;
e eles reinaräo sobre a terra.

7. O Cántico das Criaturas

(5,11-12)

E olhei,
     e ouvi a voz de muitos anjos ao redor do trono,
     e dos animais,
     e dos anciäos;
e era o número deles milhöes de milhöes,
     e milhares de milhares, que com grande voz diziam: Digno...
Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber
     o poder,
     e riquezas,
     e sabedoria,
     e força,
     e honra,
     e glória,
     e açöes de graças.

(5,13-14)

E toda...
     E toda a criatura
     que está no céu,
     e na terra,
     e debaixo da terra,
     e que está no mar,
     e a todas as coisas que neles há,
     dizer:

Ao que...
     Ao que está assentado sobre o trono,
     e ao Cordeiro,
     sejam dadas açöes de graças,
     e honra,
     e glória,
     e poder
     para todo o sempre.

E os quatro animais diziam: Amém.
E os vinte e quatro anciäos prostraram-se, e adoraram ao que vive para todo o sempre.


Camino(s) ascendente(s):